Loading...

domingo, 16 de agosto de 2015

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E DICAS DE ESTUDO - LÍNGUA PORTUGUESA - 7º ANO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO - LÍNGUA PORTUGUESA - 7º ANO
(PROCESSO DE RECUPERAÇÃO - ATIVIDADES)


ATIVIDADE 1: CRIANDO UM VOCABULÁRIO DE TERMOS
(Atividade desenvolvida para trabalhar com a dificuldade de assimilação de conteúdos e conceitos, reforçando habilidades de estudo).

Observe o pequeno modelo abaixo para depois realizar o que se pede.


Comparação: é uma figura de linguagem que serve para realizar uma comparação entre duas palavras, utilizando conjunções ou elementos de comparação.

Ex: A menina é linda como uma flor. (Como é elemento de comparação entre os dois termos: menina e flor)


Metáfora: trata-se de uma figura de linguagem que serve para realizar uma comparação direta entre dois elementos, sem utilizar conjunção ou elemento de comparação.

Ex: A menina é uma flor.


De acordo com o modelo acima, faça uma lista com os conceitos trabalhados em sala ao longo da etapa, fornecendo exemplos para cada um. Como fazer? Simples: primeiramente pesquise em livros ou site as definições, depois elabore uma pequena síntese para cada conceito. Lembre-se uma boa síntese não deve ser longa, deve ser prática e clara, explicando o conceito e dizendo para que este serve, ou seja, explicar a função do elemento estudado.

Dica prática: Comece pelo nome do conceito, depois um verbo e então escreva o que entendeu, pensando sempre na explicação e na função do conceito (para que serve). Veja o exemplo:


Metáfora: ------- trata-se de / é ------ uma figura de linguagem que...
(conceito) (verbo) (O que é? Para que serve? Veja o exemplo!)


Agora é a sua vez! Monte um vocabulário de termos com os conceitos e assuntos que trabalhamos nas aulas. Veja a tabela abaixo para relembrá-los. Alguns itens podem ser encontrados naquela sua velha amiga, a Minigramática (A minigramática da Ernani Terra, editora Scipione, é a melhor!), no livro “A arte dos quadrinhos” de Raquel Coelho e no material didático (Livros: “Movimento do aprender 7º ano” e “Muitos textos”).

Segue a lista de tópicos trabalhados nas aulas:

+ Foco narrativo em 1ª pessoa;
+ Foco narrativo em 3ª pessoa;
+ Narrador-personagem;
+ Narrador-observador;
+ Discurso direto;
+ Discurso indireto;
+ Flexão de pessoa dos verbos;
+ Flexão de gênero (masculino e feminino);
+ Linguagem formal, culta ou norma padrão;
+ Linguagem informal ou coloquial;
+ Letra de música (com barra inclinadas);
+ Letra de música cifrada (com acordes);
+ Letra de música com notas musicais;
+ Biografia – características;
+ Autobiografia – características;
+ Eu-lírico;
+ Linguagem figurada;
+ Linguagem literal;
+ Linguagem subjetiva;
+ Linguagem objetiva;
+ Gírias;
+ Aliteração;
+ Assonância;
+ Paranomásia;
+ Comics;
+ Comix;
+ Prensa de tipos móveis;
+ Gutenberg;
+ Tipos de balões;
+ Grafismos.


ATIVIDADE 2: ATIVIDADES PRÁTICAS DE INTERPRETAÇÃO
(Considerações sobre as questões de interpretação de termos, trechos e textos inteiros)

A primeira dica para quem quer ter um bom desempenho em uma questão de interpretação é: “LEIA O TEXTO INTEIRO” - pelo menos duas vezes (se quiser ler mais, eu vou achar ótimo!). A primeira leitura, nós chamamos de “leitura periférica”. Apenas serve para tomarmos nota, ou seja, ter uma noção sobre o assunto do texto (ideia central, tema, temática entre outros termos). É a partir da segunda leitura que você, aluno ou aluna esforçado ou esforçada, deverá direcionar seu foco e seu olhar para o que foi solicitado no enunciado da questão. Por exemplo, se a questão é sobre foco narrativo, você deverá prestar atenção nos verbos e ver se estes estão em primeira ou terceira pessoa. Se o texto começar com algo do tipo: “Jorge comprou um lápis” - o verbo “comprou” indica terceira pessoa (ele comprou), portanto, narrador-observador. Agora, se o texto começar assim: Comprei um lápis – neste caso o verbo indica a primeira pessoa (eu comprei).

O mesmo se aplica ao gênero masculino ou feminino. Se você se deparar com uma alternativa parecida com esta: Estou emocionado – qual seria o gênero? Masculino ou Feminino? Obviamente que seria masculino, pois, nesta situação e de acordo com as regras gramaticais, a terminação “ado” indica que o autor da frase é do sexo masculino. Ficaria muito estranho algo do tipo: Jorge está preocupada com sua saúde. Creio que o Jorge não iria gostar nada-nada dessa frase, não é mesmo?!

Outra dica importante na hora de realizar um teste de múltipla-escolha: “SEMPRE TEM UMA ALTERNATIVA ‘TONTA’ NO MEIO DAS OUTRAS”. Em outras palavras, quero dizer que sempre há uma alternativa absurda ou uma que está grosseiramente errada, tornando fácil a sua identificação na questão. Só que aí temos um grande dilema: só perceberá as alternativas absurdas aquele aluno que presta atenção às aulas, aquele que possui rotina de estudo, aquele que faz as lições no tempo estipulado pelo professor, aquele que corrige suas atividades e procura o professor para sanar suas dúvidas ao longo da etapa e não apenas em véspera de avaliação. Imagine ir a uma academia e querer emagrecer “trocentos” quilos em apenas meia horinha de bicicletinha. Lamento informar: não vai rolar!

Quando se cria hábito e rotina de estudo diário, você vai ganhando clareza e convicção sobre seus conhecimentos, algo que garantirá certeza e firmeza no momento de assinalar uma alternativa. Para quem não tem solidez nos estudos, todas as questões poderão estar certas, assim como, todas poderão estar erradas. Oh, momento cruel! O abismo da dúvida e da incerteza é o “prêmio” para aqueles que deixaram para estudar na véspera ou minutos antes da prova. Não caia nessa roubada! Aquele colega que fica zoando na aula, dormindo ou viajando na maionese, logo, logo vai despencar no “catchup” (turumdum... tzzzz!). Não se esqueça: as alternativas estão ali para confundir sua cabeça e elas conseguirão se você deixar. Para evitar que as questões deem aquele “falality” na tua nota, você deve “ESTUDAR E REVISAR SEMPRE”. Quem não economiza o tostão, jamais chegará ao milhão!

Vale lembrar que “NÃO EXISTE ESTE LANCE DE QUESTÃO ‘MEIO-CERTA’ EM QUESTÃO OBJETIVA”! A alternativa ou está inteiramente correta ou está inteiramente errada. Não vem com esta de questãozinha “meia-boca”! Recuse imitações! O que é correto, está certo por inteiro!

E se você está “power up” nos estudos poderá facilmente utilizar o método da ELIMINAÇÃO. Esta estratégia consiste em excluir as alternativas que apresentam problemas ou erros até o momento em que restar aquelas alternativas com menos erros. Muita calma nesta hora, muita hora nesta calma, ok! Sempre existirá aquela alternativa que estará melhor que todas as outras, pois apenas uma poderá ficar e lhe conduzir ao tesouro do gabarito perfeito!

Algumas questões exploram a arte da VERIFICAÇÃO eterna. Neste tipo de questão sempre há um texto de apoio que deverá ser retomado quantas vezes for necessário para a resolução do exercício. Atenção, calma e paciência são cruciais para o acerto neste tipo de questão. Não tenha pressa! Quem tem pressa para se livrar logo de uma tarefa ou avaliação, acaba fatalmente tendo que corrigir ou refazer tudo! Ou seja, quem tenta correr e terminar tudo rapidamente, pode perder tempo e acabar tendo que estudar dobrado, realizar atividades extras, processos e avaliações de recuperação, enquanto aquele que não correu tanto, ficará mais “zen”, tirando self e curtindo a vida com a consciência tranquila e com mais momentos de lazer.

A outra habilidade importante é a MEMÓRIA. Mas há muita confusão a este respeito. Há dois tipos de processos mnemômicos: um processo é o armazenamento básico, superficial, notório, frágil e instável de informações difusas e soltas na mente e o outro, aquele que almejamos, trata-se da acomodação e da harmonia do conhecimento em sua mente, o repertório, os saberes práticos e as informações organizadas e ordenadas, prontas para serem acessadas e aplicadas para qualquer situação que exija uma resposta sua, caro aluno, cara aluna. De nada adianta decorar, por exemplo, os nomes de vários conceitos, mas não saber o que realmente são, para que servem e em qual contexto se aplicam. Se não for possível transformar o saber conceitual ou teórico em saber prático, qual é a serventia que tal conhecimento tem? Nenhuma evidentemente! Tentar decorar a informação sem compreendê-la, é como alimentar-se de comida “fast food”: disfarça a fome, não sacia, não sustenta e não convence. A melhor maneira de ativar a memória é explorar uma determinada informação através de diferentes recursos, como: a leitura de bons livros e textos, a apreciação de vídeos, a participação ativa nas aulas (É isso aí! Pergunte muito!) e a realização de atividades e exercícios, pois é no ato de “fazer” que a gente aplica o que aprendeu durante as aulas. Se você não faz as atividades, como vai saber se é capaz de aplicar aquilo que está “estudando” em sala de aula? Ou será que você prefere deixar para testar sua capacidade e habilidade somente na hora da prova? Se você lesse um livro que ensinasse a nadar apenas com orientações teóricas e fotografias, estaria apto para pular em alto-mar e dar longas braçadas? Pense nisto, Fernando Scherer!


ATIVIDADE 3: ATIVIDADES PRÁTICAS SOBRE VOCABULÁRIO
(Considerações sobre as questões de vocabulário)

Já ouviu aquele ditado que diz: “De grão em grão a galinha enche o papo”. Pois é, de palavra em palavra um texto se constrói e junto com este edifica-se também um entendimento e a compreensão do mundo que nos cerca. Às vezes, é impossível entender o significado de um termo dentro de uma frase ou trecho de um texto. Porém, quando não conseguimos realizar esta associação entre palavra e significado, corremos o risco de não conseguir interpretar ou compreender boa parte de um texto ou, até mesmo, um texto inteiro. Por isso é que é muito importante o uso do dicionário (impresso ou virtual) naqueles momentos, nos quais não conseguimos entender determinada palavra dentro de um texto. Tal livro funciona como bússola para quem está perdido e não consegue orientação nem sequer pelas entrelinhas do texto. Aliás, dizem por aí que o dicionário é o “pai dos burros”. Burro ou jumento foi quem inventou esta ideia! Querer pesquisar, ampliar e aprofundar o conhecimento sobre algum termo desconhecido jamais será ideia de jerico! E a propósito, quem foi que disse que o burro é um animal “desmiolado”?


ATIVIDADES 4: ATIVIDADES PRÁTICAS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA
(Considerações sobre as questões de gramática reflexiva)

Treinar gramática reflexiva ou textual, ou seja, a gramática relacionada ao contexto e aos gêneros textuais em estudo aumenta as possibilidades de compreensão de tais gêneros que, por sua vez, auxiliarão nas resoluções de situações-problemas, questões de múltipla-escolha, entre outras habilidades.


ATIVIDADE 5: APOSTILAMENTO, FICHA-SÍNTESE E FICHA DE TÓPICOS
(Atividade que reforça as habilidades de leitura, entendimento e resumo das ideias veiculadas pelos textos).

A leitura é imprescindível para um bom aprendizado. Geralmente, bons alunos são excelentes leitores. Porém, é preciso algumas orientações para que as práticas de leitura surtam os efeitos desejados e saiam da mesmice. Primeiramente, há vários tipos de leitura: leitura para o lazer, leitura para o trabalho, leitura para o estudo, leitura para resolver situações-problemas entre outras formas. Outro ponto importante é “NÃO FICAR ENFURNADO NO MESMO TIPO DE LEITURA”. Há vida e leitura interessante e inteligente além dos planetas dos best sellers! Se você é daqueles ou daquelas que ficam só no “John Green – John Green – John Green”, ou no “Harry Potter - Harry Potter - Harry Potter” o ano todo, considere a possibilidade de variar a leitura, trocando de autor e de gênero de vez em quando. Isto vai lhe trazer inúmeros benefícios, sendo o primeiro deles uma ampliação notável do seu vocabulário e repertório linguístico. E é claro, a leitura ajuda a aprimorar a escrita.
Agora para fazer com que a leitura auxilie à escrita, o interessante é sempre relacionar a leitura a uma ação de escrita. Vou explicar: você acabou de ler um capítulo, pratique a escrita logo em seguida. Por exemplo: faça uma síntese sobre o que você acabou de ler; uma crítica ou opinião, ou até mesmo, poema e letra de música sobre o texto lido. Você pode fazer também um fichamento, que é um resumo através de tópicos, setas ou esquemas. E tem também o “apostilamento”, que seria o ato de fazer citação de trechos e partes que você mais gostou ou achou interessante (cada trecho pode vir com explicação ou comentário crítico, se você preferir).
Por que você não experimenta treinar agora um esquema dos conteúdos que você estudou ao longo desta etapa! Garanto que será muito produtivo! Você não vai se arrepender!


ATIVIDADE 6: JOGOS PARA O APRENDIZADO
(Criando e respondendo as próprias questões formalmente ou através de brincadeiras)

Associar o dever ao lazer, com sabedoria, evidentemente, resulta sempre em uma combinação muito produtiva. Pois, além de tornar o estudo menos “massacrante”, auxilia na fixação dos conteúdos pela mente. Pesquisas na área de inteligência Emocional e Neurolinguística (Livro: “Inteligência Emocional”, de Daniel Goleman) comprovam que a inteligência afetiva é uma forte aliada ao aperfeiçoamento da construção do conhecimento em cada ser.
Sendo assim, aí vão algumas dicas de jogos interessantes para um bom aprendizado! O mais interessante é que tais brincadeiras são práticas e podem ser feitas em família.


+ FLASHCARD: criando e respondendo as próprias questões formalmente ou através de brincadeiras.

O Flashcard consiste em recortar alguns pedaços de papel (mais ou menos do tamanho de uma carta de baralho) e escrever na frente o nome de um conceito e no verso a definição do mesmo conceito. Faça este procedimento com vários pedaços de papel e pronto. Para brincar, peça para alguém escolher uma carta e ler o conceito. Sua missão é acertar a definição do conceito ou vice-versa.


+ JOGO DA MEMÓRIA: Estude de maneira criativa, utilizando diversas habilidades e também sua inteligência emocional.

Recorte uma quantidade par de pedaços de papel do tamanho de cartas de baralho (aproximadamente) e escreva apenas em um dos lados de cada carta. Em algumas cartas, escreva os conceitos e em outras as definições. Vire todas as cartas com a escrita voltado para baixo e pronto! É só começar a virar e procurar o conceito e sua definição própria entre o montante espalhado sobre a mesa.


ATIVIDADE 7: RECURSOS AUDIOVISUAIS
(Como ter acesso a bons materiais de apoio na Web?)

A Web consiste em uma versão moderna da biblioteca de Alexandria. Você pode encontrar de tudo lá! Porém, o grande lance é saber onde pisa e em que fonte confiar. Sites como Wikipédia ou blogs pessoais podem trazer informações incompletas ou até mesmo equivocadas sobre algum assunto. Portanto, ao realizar pesquisa na internet, procure escolher bons sites. Por exemplo, no youtube podemos encontrar inúmeros documentários dos canais: HISTORY, DISCOVERY CHANNEL e NATIONAL GEOGRAPHIC, como também, programas educativos, tais como: NOSSA LÍNGUA PORTUGUESA, AFINANDO A LÍNGUA, CAFÉ FILOSÓFICO, TELECURSO 2000 entre outros. Em relação aos canais de TV brasileiros, temos a TV CULTURA, a TV ESCOLA, a TV FUTURA, entre outras emissoras. E, é claro, tem também o canal do PROFIRMEZA no youtube com as músicas pedagógicas, oh yeah!
Fica uma sugestão: assista alguns destes programas e depois faça uma síntese sobre o que você entendeu. Com certeza, seu aprendizado ficará muito mais rico e consistente. Faça o teste! Permita-se esta experiência!

Bom, conversei demais com vocês. Chega né! Agora é hora de colocar a mão na massa!
Um forte abraço e espero que todos aproveitem este material e consigam não apenas recuperar o desempenho, mas também, superar suas próprias expectativas e limites! Até a próxima! Segue abaixo uma lista de atividades baseadas nas aulas e avaliações que vocês tiveram. Bom divertimento!


ATIVIDADES PRÁTICAS – INTERPRETAÇÃO E ANÁLISE LINGUÍSTICA

Com base no trecho abaixo, responda às questões 01 e 03.

“A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Programas essencialmente centrados no combate químico, com baixíssima ou mesmo nenhuma participação da comunidade, sem integração intersetorial e com pequena utilização do instrumental epidemiológico mostraram-se incapazes de conter um vetor com altíssima capacidade de adaptação ao novo ambiente criado pela urbanização acelerada e pelos novos hábitos.”
Ministério da Saúde

01. Qual é a ideia central do texto:

a) A dengue é o único problema de saúde pública no mundo.
b) A dengue se tornou um dos principais problemas de saúde pública no mundo por causa dos métodos de controle e combate ao vetor, que hoje se mostram ineficazes para combater um vetor com alta capacidade de adaptação.
c) O vetor tem capacidade de adaptação.
d) O combate ao vetor da dengue não pode ser químico.
e) A baixíssima ou mesmo nenhuma participação da comunidade mostraram-se incapazes de conter um novo ambiente criado pela urbanização e novos hábitos.


02. Qual a principal dedução do texto:

a) O vetor da dengue é um mosquito.
b) O combate ao vetor da dengue deve ser com inseticida.
c) Para se combater a dengue a metodologia deve ser reformulada com base na participação da comunidade e na integração intersetorial, além de outros métodos.
d) Existem outros problemas de saúde pública no mundo.
e) A dengue pode transmitir outras doenças como a AIDS e a Leptospirose.


03. A palavra “ESSENCIALMENTE” pode ser substituída pelas palavras abaixo, sem prejuízo do sentido da frase, EXCETO, por:

a) Principalmente
b) Fundamentalmente
c) Basicamente
d) Inativamente
e) Primordialmente


04. Substituindo a palavra “IMPORTANTES” pelas palavras abaixo, qual torna o sentido da frase contrária:

a) Relevantes b) Consideráveis c) Irrelevantes d) Notáveis e) Imprescindíveis


Leia o texto abaixo para depois realizar o que se pede.


Prova falsa

Stanislaw Ponte Preta

1 Quem teve a ideia foi o padrinho da caçula – ele me conta. Trouxe o cachorro de presente e logo a família inteira se apaixonou pelo bicho. Ele até que não é contra isso de se ter um animalzinho em casa, desde que seja obediente e com um mínimo de educação.
2 Mas o cachorro era um chato – desabafou.
3 Desses cachorrinhos de raça, cheios de nhenhenhém, que comem comidinha especial, precisam de muitos cuidados, enfim, um chato de galocha. E, como se isto não bastasse, implicava com o dono da casa.
4 - Vivia de rabo abanando para todo mundo, mas, quando eu entrava em casa, vinha logo com aquele latido fininho e antipático, de cachorro de francesa.
5 Ainda por cima, era puxa-saco. Lembrava certos políticos da oposição, que espinafram o ministro, mas, quando estão com o ministro, ficam mais por baixo que tapete de porão. Quando cruzavam num corredor ou qualquer outra dependência da casa, o desgraçado rosnava ameaçador, mas, quando a patroa estava perto, abanava o rabinho, fingindo-se seu amigo.
6 - Quando eu reclamava, dizendo que o cachorro era um cínico, minha mulher brigava comigo, dizendo que nunca houve cachorro fingido e eu é que implicava com o “pobrezinho”.
7 Num rápido balanço, poderia assinalar: o cachorro comeu oito meias sujas, roeu a manga de um paletó de casemira inglesa, rasgara diversos livros, não podia ver um pé de sapato que arrastava para locais incríveis. A vida lá em sua casa estava se tornando insuportável. Estava vendo a hora que se desquitava por causa daquele bicho cretino. Tentou mandá-lo embora umas vinte vezes e era uma choradeira das crianças e uma espinafração da mulher.
8 - Aí mandaram o cachorro embora? – perguntei.
9 - Mandaram. Mas eu fiz questão de dá-lo de presente a um amigo que adora cachorros. Ele está levando um vidão em sua nova residência.
10 - Ué... mas você não o detestava? Como é que ainda arranjou essa sopa pra ele?
11 - Problema de consciência – explicou: - O pipi não era dele.
12 E suspirou cheio de remorso.

(In: Gol de padre e outras crônicas. Série Para gostar de ler, vol. 23. 6a. ed.São Paulo: Ática, 2000.)


5. Marque a alternativa onde podemos encontrar apenas opinião.

a) “-Mandaram o cachorro embora? – perguntei.
b) “E suspirou cheio de remorso.”
c) “Quem teve a ideia foi o padrinho da caçula”.
d) “O pipi não era dele”.
e) “Mas o cachorro era um chato”.


6. Em qual alternativa não há relação entre causa e consequência?

a) Trouxe o cachorro de presente e logo a família inteira se apaixonou pelo bicho.
b) A vida lá em sua casa estava se tornando insuportável.
c) Vivia de rabo abanando para todo mundo, mas, quando eu entrava em casa, vinha logo com aquele latido fininho e antipático, de cachorro de francesa.
d) Quando eu reclamava, dizendo que o cachorro era um cínico, minha mulher brigava comigo, dizendo que nunca houve cachorro fingido e eu é que implicava com o “pobrezinho”.
e) Nenhuma das alternativas.


7. Em qual alternativa aparece uma referência ao sexo do animal (gênero masculino ou feminino / macho ou fêmea).

a) E, como se isto não bastasse, implicava com o dono da casa.
b) Quem teve a ideia foi o padrinho da caçula – ele me conta.
c) Quando cruzavam num corredor ou qualquer outra dependência da casa, o desgraçado rosnava ameaçador, mas, quando a patroa estava perto, abanava o rabinho, fingindo-se seu amigo.
d) Lembrava certos políticos da oposição, que espinafram o ministro, mas, quando estão com o ministro, ficam mais por baixo que tapete de porão.
e) Todas as alternativas referem-se ao cão.


8. Marque a alternativa em que não há discurso direto.

a) Meu pai trabalhou muito para construir a linda casa onde moramos.
b) Minha vó já me dizia que quem não tem colírio, usa óculos escuro.
c) Eu tenho tanto pra te falar, mas com palavras não sei dizer.
d) Você, meu amigo de fé, meu irmão camarada
e) Eu quis dizer, você não quis escutar. Agora não peça, não me faça promessas.


9. (PUC-PR) Marque a opção em que há uma metáfora.

a) “Minha vida é uma colcha de retalhos, todos da mesma cor.” (Mario Quintana)
b) Trata-se de uma pessoa que falta com a verdade
c) Cada qual procurava cuidar de si mesmo.
d) Caminhar para a morte, pensando em vencer na vida.
e) “Olhe, meu filho, os homens são como formigas”. (Érico Veríssimo)


Analise a tirinha a seguir.


10. Assinale o trecho do diálogo que apresenta um registro informal, ou coloquial, da linguagem.

a) “Tá legal, espertinho! Onde é que você esteve?!”
b) “E lembre-se: se você disser uma mentira, os seus chifres cairão!”
c) “Estou atrasado porque ajudei uma velhinha a atravessar a rua...”
d) “...e ela me deu um anel mágico que me levou a um tesouro”
e) “mas bandidos o roubaram e os persegui até a Etiópia, onde um dragão...”


“Enfrentar as dificuldades é construir os degraus da escadaria, que levam à sabedoria”

“Quem consegue dominar a si mesmo é que tem o verdadeiro poder”
(autor desconhecido)


RESPOSTAS:
Gabarito: 1B – 2C – 3D – 4C – 5E – 6B – 7C – 8B – 9A – 10A

Nenhum comentário:

Postar um comentário