Loading...

sexta-feira, 27 de maio de 2016

CULTURA DO ESTUPRO (soneto)



CULTURA DO ESTUPRO

Na mente de Neanderthais
Qualquer motivo é pretexto
Qualquer decote é convite
Consciência ausente, cio e demência, atos criminais


“Não dói o útero, dói a alma”
E agora argumentos menstruam bocas bossais:
“Quem mandou seduzir, quem mandou provocar?!”
“Quem mandou respirar, quem mandou ser mulher?!”


Prendam suas cabras, que os bodes estão soltos!
Machistas, misóginos, sexistas... ideologias de escrotos!
Mesma idiossincrasia, diferentes esgotos!


E a Cultura que liberta, castrada e restrita está!
Prolifera-se a cultura da bactéria, com sorriso podre de escorbuto,
aclamando a cultura do assédio, praticando a cultura do estupro!



*soneto de André Buena Muerte
** foto: cemitério São Bento / Araraquaara-SP

INFÂNCIA ROUBADA (soneto)


*cemitério São Bento / Araraquara-SP



INFÂNCIA ROUBADA

Asas cortadas, tiradas, perdidas
Infância roubada, abertas feridas
Antes do tempo, menarca ainda
Antes do tempo, tão cedo barriga


Estudo e brinquedo, nem sombra ou hálito
Apelo, desejo, consumo fálico
Família não viu, o corpo cedeu
Mais uma criança fugiu com morpheu


Do ninho saltou, sem asas formadas
Da escola deixou lacunas sangradas
A vida chegou tão cedo do nada

O corpo não segurou, despencou no mar Egeu
Nem semente, nem vida... Agora...
Só resta a ausência “do-eu”.


(Heterônimo/pseudônimo: André Buena Muerte)





domingo, 22 de maio de 2016

SHAKESPIRANDO - ROTEIRO TEATRAL - HOMENAGEM A SHAKESPEARE

SHAKESPIRANDO (PEÇA TEATRAL DE ANDRÉ LUIZ RAPHAEL)

(Escolinha do professor Shakespeare)

De André Luiz Raphael
Personagens:
Professor Shakespeare
Romeu
Julieta
Otelo
Hamlet
Catarina
Petrúchio
Rainha Elizabeth
Dois guardas
Pessoas do coro

---
SHAKESPEARE: - Bom dia, classe. Espero que vocês estejam preparados, pois hoje teremos chamada oral e eu não quero nenhuma tragédia no boletim do final da etapa, entendido?

PETRUCHIO: - Sêo Milkshakespeare!

SHAKESPEARE: - É Shakespeare, Petrúquio! Shakespeare!

PETRÚCHIO: - Saúde, professor! Toma mel com limão que a gripe passa.

SHAKESPEARE: - Não Petrúquio! Não foi um espirro! O que eu disse foi a pronúncia correta de meu nome!

PETRÚCHIO: - Pra mim pareceu mais uma pigarreada, seguida de uma catarrada remelenta.

CATARINA: - Ai como você é porco e nojento, Petrúquio.

PETRÚCHIO: - Oh, eu deixei a leve pombinha enjoada?

CATARINA: - Leve demais para um abutre feito você!

CLASSE: - (A cada tirada a faz expressões): Uh! Oh!

PETRÚCHIO: - A pombinha virou uma vespa, é?!

CATARINA: - E cuidado com o meu ferrão!

PETRÚCHIO: - Ferrão a gente arranca!

CATARINA: - Precisa encontrá-lo primeiro!

PETRÚCHIO: - E onde ele fica?

CATARINA: - Na língua!

PETRÚCHIO: - De quem?

CATARINA: - Na sua...

SHAKESPEARE: - Ei! Ei! Vamos parar com este dramalhão mexicano, que o teatro aqui é elisabetano! Posso continuar minha aula!

CLASSE: - Pode professor Shakespeare!

SHAKESPEARE: (Dá uma tossidinha e continua) - Julieta!

JULIETA: - Romeu! Romeu! Romeu! Onde está Romeu!

SHAKESPEARE: - JULIETA! ESCUTE!

SHAKESPEARE: - Não adianta ficar chamando por Romeu. Ele foi para outra turma, pois vocês estavam se dispersando muito durante
as aulas.

JULIETA: - Euuuuuuuuuuuuuuu! Magina!

SHAKESPEARE: - Sim você! E eu posso provar!

JULIETA: - Então prove, ó cruel professor!

SHAKESPEARE: - Pois bem, vamos lá... Quem botou fogo em Roma?

JULIETA: - Olha... em Roma, eu não sei! Mas quando eu olho pra Romeu, ele me faz arder em chamas!

CLASSE: - Ooooooooh!

SHAKESPEARE: - Silêncio! Vamos continuar... Julieta...

JULIETA: - Sim, desalmado professor!

SHAKESPEARE: - Quantos metros cabem em um quilômetro?

JULIETA: - Olha... em um quilometro eu não sei! Mas no meu coração cabe todo o amor de Romeu! Oh Romeu! Cadê você?

SHAKESPEARE: - Viu! Eu não falei! Você só pensa em Romeu!

ROMEU: - Julieta!

JULIETA: - Romeu!

PETRÚCHIO: - Ih, agora lascô! A aula do seo Chico Espirro foi pro brejo!

CATARINA: - Cala a boca, seu neanderthal! Não estraga a cena! Aprenda como se trata uma dama!

PETRÚCHIO: - Pra que? Não tem nenhum dama aqui! Só uma mula manca!

CLASSE: - Ooooooooh!

CATARINA: - Ora seu cavalo!

PETRÚCHIO: - Anta!

CATARINA: - Jumento!

PETRÚCHIO: - Sua capivara!

SHAKESPEARE: - Chegaaaaaaa! (silêncio) Antes que vocês dois citem toda a fauna brasileira! Pra diretoria já!

(Os dois saem brigando e vão dizendo: Tá vendo a culpa foi sua! Foi sua! Sua! Sua! Sua!)

E olhando para Romeu e Julieta...

SHAKESPEARE: - Vocês dois também!

ROMEU: - Eu só vou se Julieta for comigo!

JULIETA: - E eu só vou se Romeu for comigo!

SHAKESPEARE: - Isso mesmo! Vão os dois! Sumam da minha frente!

(Os dois saem felizes e saltitantes – o coro canta a música de Romeu e Julieta).

SHAKESPEARE: - Ai! Ai! Que dureza! Bem, vamos lá! Senhor Hamlet!

HAMLET: - Ser ou não ser: eis a questão! Estudar ou colar! Fazer a lição!

SHAKESPEARE: - Olha, senhor Hamlet, não me venha com esta conversinha mole de loucura não! E tem mais: aquela história que seu pai morreu e só fala com você e com mais ninguém também não colou não! Na próxima reunião de pais eu quero conversar com ele, entendeu. Quero conversar com ele! Nem que tiver que invocá-lo em um terreno de umbanda, entendido! Seu boletim revela que há algo podre no reino da Dinamarca!

HAMLET: - Sim, senhor! Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia!

SHAKESPEARE: - Tá! Tá! Sem devanear Hamlet! Responda sem enrolar! Você fez a pesquisa que eu pedi?

HAMLET: - Sim, claro que fiz, milorde! (mudando de tom) Sobre o que era mesmo?

SHAKESPEARE: - Olha eu não devia, mas vou te ajudar! A pesquisa era sobre um ditador tirano que governava a Alemanha durante a segunda guerra mundial! Quem era ele?

HAMLET: - Mestre, sei exatamente de quem você está falando!

SHAKESPEARE: - Pois bem, então diga!

HAMLET: - Você está falando do meu tio Claudius! Aquele pilantra!

SHAKESPEARE: - Não! Claro que não! Estou falando de Hitler da Alemanha nazista!

HAMLET: - Sim, isto mesmo! Hitler é um dos capangas de meu tio Claudius e a Alemanha era colônia da Dinarmarca!

SHAKESPEARE: - Oh Hamlet! Você é muito cara-de-pau, né mesmo! Tentando me enrolar! Onde você fez esta pesquisa?

HAMLET: - Pesquisei na mais completa biblioteca do mundo! A biblioteca da Dinamarca!

SHAKESPEARE: - Ah é da Dinamarca né!

HAMLET: - Sim senhor! Da Dinamarca! E então! Qual é a minha nota?

SHAKESPEARE: - Que bom que você perguntou! Então, eu vou enviar a tua nota pra biblioteca da Dinamarca! E enquanto ela não chega, você pode ficar com a nota zero!

HAMLET: - Oh... Fragilidade teu nome é professor! Que ao invés de me 10 dar só me dá zero!

SHAKESPEARE: - Bem continuando...

HAMLET: - Mestre! Lembrei-me de algo importante!

SHAKESPEARE: - Pois então… diga homem!

HAMLET: - Posso ir ao banheiro!

SHAKESPEARE: - (Silêncio) Será que sobrou um pouco daquele veneno que seu tio pingou no ouvido de seu pai, Hamlet!

HAMLET: - Creio que sim, profs. Por quê?

SHAKESPEARE: - Pra eu pingar na sua merenda!

HAMLET: - Oh!

SHAKESPEARE: - Vá ao banheiro Hamlet! Vá!
(Hamlet sai.)

SHAKESPEARE: - Ai! Ai! É cada um que me aparece! Bem, mas vamos lá!

SHAKESPEARE: - Otelo!

OTELO: - Yes, sir! (Faz posição de sentido)

SHAKESPEARE: - Descansar soldado!

OTELO: - Obrigado!

SHAKESPEARE: - Então, senhor Otelo. Fiquei sabendo que o senhor recentemente se casou.

OTELO: - É verdade senhor.

SHAKESPEARE: - Parabéns!

OTELO: - Obrigado novamente senhor!

SHAKESPEARE: - Mas Otelo, agora mesmo conte um pouco sobre o Minotauro!

OTELO: - Por que o senhor está me perguntando sobre o Minotauro? É por um acaso algum tipo de indireta? O senhor está tentando me dizer algo? O senhor está me chamando de corno? Diga professor! Não me esconda nada! Já sei! Minha mulher está me traindo? Ah, eu sabia! Eu sabia! Bandida! Bandida!

SHAKESPEARE: - Calma Otelo! Calma! Sem paranoia! Foi apenas uma pergunta sem propósito. Só queria saber se você estudou o conteúdo sobre mitologia grega! Perguntei sobre o minotauro, mas poderia muito bem ter perguntado sobre os sártiro, os faunos e outros seres encantados!

OTELO: - Você quer dizer outros chifrudos, né!

SHAKESPEARE: - É... digo nãããõ!

OTELO: - Eu vou matar aquela ingrata!

SHAKESPEARE: - Calma Otelo! Esfria sua cabeça! Você está tendo um ataque de ciúme! Este lance de chifre, é algo coisa que colocam na sua cabeça.

OTELO: - Ah, eu vou matá-la! Vou mata-la! (E sai correndo).

SHAKESPEARE: - Espera aí, Otelo! Volte! Ah meu Deus! Isto vai dar “Cidade alerta”! (Em outro tom) Mereço! Mereço! Eu devo ter colocado chiclete no saiote da rainha Elizabeth! Só pode!

Entra a rainha e dois guardas

RAINHA ELIZABETH: - Você fez o quuuuuuê!?

SHAKESPEARE: - Majestade!

RAINHA ELIZABETH: - Então foi você, seu cachorro!

SHAKESPEARE: - Milady, foi apenas uma força de expressão! Uma expressão figurada!

RAINHA ELIZABETH: - Eu vou te mostrar a força de expressão! Guardas levem-no para a masmorra!

(Os guardas seguram Shakespeare pelo braço e o tiram de cena)

SHAKESPEARE: - Foi só uma expressão! Foi linguagem figurada! Socorro! Socorro! Socorro!

RAINHA ELIZABETH: - A aula acabou! Palmas pra mim, por favor! Obrigada! Obrigada! Agora circulando! Todo mundo pra casa, senão! Já sabem! Tem bastante espaço na minha masmorra resort! E tenho dito! Adeus! (e sai de cena com o nariz empinado).

Fim da peça