Loading...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Como fazer uma dissertação (artigo de opinião)?

O ESQUEMA BÁSICO DA DISSERTAÇÃO

Introdução

A dissertação possui três partes fundamentais: Introdução, Desenvolvimento e Conclusão. Alguns autores apresentam outras diferentes divisões, todavia o sentido dessas diferentes partes é o mesmo. Para a Introdução, por exemplo, existe uma outra expressão, denominada Posição ideológica. Tanto uma quanto outra irá introduzir a idéia a ser defendida, o que muda é apenas o nome dado a cada uma dessas partes.

Para a Introdução, ao dissertar sobre um determinado assunto ou tema, sua primeira providência é elaborar perguntas que estejam relacionadas a esse tema. Você deve refletir, procurando respostas para as questões formuladas. Dificilmente terá problemas nesse momento de reflexão. Certamente você já leu ou pelo menos sabe algo a respeito do tema a ser abordado.

Essas respostas colaboram na argumentação, já que, para defender uma idéia, você precisa argumentar sobre ela com o leitor, na tentativa de convencê-lo. O ideal é que você, a partir do tema, reflita e consiga as respostas (argumentos) para elaborar a primeira parte da dissertação -- a introdução.

Exemplificando, suponhamos que o assunto seja "desemprego", do qual extraímos o seguinte tema (delimitação do assunto): "As principais conseqüências do desemprego no Brasil se agravam a cada dia, principalmente nos grandes centros urbanos.".

Elaborando a pergunta, teríamos: "Quais seriam as principais conseqüências do desemprego e por que se agravam a cada dia?".

Como respostas, poderíamos apresentar os seguintes argumentos:

  1. o número excessivo de pessoas que vive na mais completa miséria;
  2. a expansão de favelas nesses grandes centros;
  3. o aumento da criminalidade.

Outros argumentos podem ser apontados. O importante é que cada argumento encontrado esteja relacionado com o assunto em questão.

Basicamente, após a reflexão e levantamento dos argumentos, poderíamos compor:

As principais conseqüências do desemprego no Brasil se agravam a cada dia, principalmente nos grandes centros urbanos, onde se pode observar o número excessivo de pessoas que vive na mais completa miséria, a expansão de favelas nesses grandes centros e o aumento da criminalidade.

Observe que, nessa primeira parte, os argumentos são apenas citados. Foi estabelecido o assunto, já delimitado, ou seja, o tema a ser tratado, e os argumentos, os quais serão desenvolvidos nos parágrafos seguintes. Observe ainda nas palavras empregadas, "onde se pode observar", e as vírgulas colocadas neste texto para ligar o tema e os argumentos. Terminada essa etapa, passamos para uma outra, o Desenvolvimento, parte em cada um dos argumentos já mencionados serão desenvolvidos.

Desse modo, para cada um dos três argumentos apresentados, teríamos um parágrafo, num total de três:

Movidas pela idéia de que, nos grandes centros, o ser humano conta com melhores condições para a sua subsistência, populações inteiras imigram do interior. O sonho termina logo que essas pessoas chegam e começam a procurar emprego. São inúmeros os problemas com os quais se deparam e a resposta é sempre a mesma: "Não há vaga", ou ainda "A vaga já foi preenchida".

Sem terem para onde ir, essas pessoas acabam se alojando em favelas, aumentando-as em sua extensão territorial, ou formam outras que crescem do mesmo modo, vivendo de maneira degradante. A luta agora é outra -- com a fome, a total miséria. O pouco que conseguem mal dá para a sua sobrevivência e a de suas crianças. Isso tudo explica a existência de tantos meninos que tentam vender balas, chocolates e outras pequenas mercadorias aos motoristas que param a espera do sinal abrir. Junto com a miséria e a fome, surgem doenças, muitas vezes sem a possibilidade da cura, pois se conseguem atendimento médico gratuito, não têm como comprar os remédios.

Diante de todos esses problemas, pode-se acrescentar mais um: o da criminalidade. Bastaria citar a grave situação desencadeada nas favelas entre os denominados traficantes que lá se instalam e os policiais. Todavia, esse é apenas um dos mais graves exemplos. Além da conotação que se tem com relação a quem mora em uma favela -- a de bandido --, há ainda o forte impulso da miséria que, com o desemprego, faz com que muitos acabem roubando aqui e acolá, de pequenos a grandes roubos, de um simples furto a assaltos a mão armada, provocando a morte de inocentes.

Assim como na Introdução, no Desenvolvimento ocorre o emprego de palavras (Todavia..., Além da..., Diante de todos esses problemas...) que estabelecem ligação, não só com o parágrafo anterior, mas também com os períodos e orações de um mesmo parágrafo. O texto deve manter essa conexão, compondo um todo significativo entre os argumentos desenvolvidos.

A última etapa é a Conclusão. Nesse parágrafo é importante ressaltar, em uma expressão inicial, os fatos já mencionados, não se esquecendo, porém, de reafirmar o tema proposto no início. Veja:

Portanto, ante os fatos já mencionados, pode-se confirmar a gravidade das conseqüências geradas pelo desemprego; conseqüências essas que tendem a aumentar diariamente, pois não há muito comprometimento por parte dos governantes e da sociedade. Enquanto cada cidadão estiver preocupado apenas com seus direitos, a taxa de desemprego continuará crescendo, e também a miséria, as favelas e a criminalidade.

OBSERVAÇÃO:

Uma outra forma de se redigir a Conclusão, seria apenas fazer um comentário final,

sem a reafirmação do tema. Outro elemento importante e que não pode ser

esquecido jamais é o Título da dissertação. Nesse caso,

uma expressão adequada seria: As principais conseqüências do desemprego.

Reunindo todos os parágrafos escritos, temos a dissertação completa, acrescida

do título:

Obs.: Por limitações do Editor utilizado na criação desta página, o título e os parágrafos

da dissertação abaixo não seguem as normas apresentadas nesses capítulos.



As conseqüências do desemprego

As principais conseqüências do desemprego no Brasil se agravam a cada dia, principalmente nos grandes centros urbanos, onde se pode observar o número excessivo de pessoas que vive na mais completa miséria, a expansão de favelas nesses grandes centros e o aumento da criminalidade.


Movidas pela idéia de que, nos grandes centros, o ser humano conta com melhores condições para a sua subsistência, populações inteiras imigram do interior. O sonho termina logo que essas pessoas chegam e começam a procurar emprego. São inúmeros os problemas com os quais se deparam e a resposta é sempre a mesma: "Não há vaga", ou ainda "A vaga já foi preenchida".


Sem terem para onde ir, essas pessoas acabam se alojando em favelas, aumentando-as em sua extensão territorial, ou formam outras que crescem do mesmo modo, vivendo de maneira degradante. A luta agora é outra -- com a fome, a total miséria. O pouco que conseguem mal dá para a sua sobrevivência e a de suas crianças. Isso tudo explica a existência de tantos meninos que tentam vender balas, chocolates e outras pequenas mercadorias aos motoristas que param a espera do sinal abrir. Junto com a miséria e a fome, surgem doenças, muitas vezes sem a possibilidade da cura, pois se conseguem atendimento médico gratuito, não têm como comprar os remédios.


Diante de todos esses problemas, pode-se acrescentar mais um: o da criminalidade. Bastaria citar a grave situação desencadeada nas favelas entre os denominados traficantes que lá se instalam e os policiais. Todavia, esse é apenas um dos mais graves exemplos. Além da conotação que se tem com relação a quem mora em uma favela -- a de bandido --, há ainda o forte impulso da miséria que, com o desemprego, faz com que muitos acabem roubando aqui e acolá, de pequenos a grandes roubos, de um simples furto a assaltos a mão armada, provocando a morte de inocentes.


Portanto, ante os fatos já mencionados, pode-se confirmar a gravidade das conseqüências geradas pelo desemprego; conseqüências essas que tendem a aumentar diariamente, pois não há muito comprometimento por parte dos governantes e da sociedade. Enquanto cada cidadão estiver preocupado apenas com seus direitos, a taxa de desemprego continuará crescendo, e também a miséria, as favelas e a criminalidade.



Esquematizando temos:

1º parágrafo: introdução (apresentação do assunto - tese)

2º, 3º e 4° parágrafos: desenvolvimento - argumetação (evidências)

5º parágrafo: conclusão (fechamento; chave-de-ouro; síntese; ponto-de-vista)


O esquema acima pode ser utilizado para redigir qualquer dissertação.
Ele lhe será .útil para que você possa estruturar satisfatoriamente
os argumentos;
garantirá ainda organização e coerência à sua composição.
Observando essas orientações, você usará o número de
parágrafos adequado,
certificando-se de que cada um deles corresponda a uma
nova idéia e de que,
sobretudo, os diferentes parágrafos evidenciem
as partes componentes
de sua dissertação.

Não se esqueça do seguinte: este é apenas um dos modelos de dissertação

que iremos apresentar ao longo do livro. É, no entanto, o mais geral

e pode ser usado para desenvolver qualquer tema dissertativo.

fonte:http://minerva.ufpel.edu.br/

5 comentários:

  1. Obrigada vai me ajudar no meu artigo sobre Linguagem Oral e escrita

    ResponderExcluir
  2. Obrigada vai me ajudar muito na elaboração de um artigo de opinião!!!

    ResponderExcluir
  3. Valiosas dicas. Exatamente o que estava procurando. Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. OBGA. ADOREI ESTE ARTIGO

    ResponderExcluir
  5. nooosssaaaa......isso sim e uma boa explicaçao!!! sem duvidas...tudo que eu precisava,valeu mesmo.

    ResponderExcluir