Loading...

quinta-feira, 8 de abril de 2010

RESENHA TEMÁTICA

Resenha: Violência, vida e esperança

LUIZ EDUARDO SOARES
Especial para a Folha de S.Paulo

Bertolt Brecht lamentava: "pobre do país que precisa de heróis". O nosso precisa de democracia substantiva e desarmamento, justiça social e paz. Menos racismo, exclusão e desigualdade, mais cidadania e tolerância pela diversidade. Já passou, entre nós, o tempo dos heróis, felizmente.

Nosso país precisa da presença pública revitalizante e eticamente inspiradora, transitando entre diásporas políticas e Tordesilhas ideológicas, de Paulo Sergio Pinheiro, o gentleman cosmopolita que tece com a África, as Américas e o velho mundo a rede dos direitos humanos.As mudanças, agora, podem ser feitas através das instituições, sob regência constitucional. Entretanto, o Brasil precisa, sim, de biografias exemplares e de referências tangíveis: o discreto heroísmo cívico, delicado mas firme, flexível mas rigoroso, sobretudo coerente, que habite conosco nosso pedaço de planeta, sem bravatas e grandiloquência, sem arrogância acusatória, interrogando a experiência aparentemente banal das cidades e da cidadania, e divisando o novo, na simplicidade do cotidiano, para ajudar a promover as mudanças.

Mas esse texto telegráfico não é uma homenagem; é uma apresentação sumaríssima de seu livro mais recente, em parceria com seu colega do Núcleo de Estudos da Violência, da USP, o professor Guilherme Assis de Almeida.

Impossível, entretanto, apresentá-lo sem situá-lo no âmbito de uma prática, a um só tempo ético-política e intelectual. Prática que, para desvelar-se, não pode prescindir do perfil de seus protagonistas.

Paulo Sérgio e Guilherme estiveram à frente da Secretaria de Estado (hoje, Especial) dos Direitos Humanos. Hoje, de volta ao NEV e à vida acadêmica internacional, prosseguem na mesma trajetória, cumprindo o mesmo programa: diagnosticar o quadro nacional de transgressões aos direitos, identificando pontos de inflexão instalados à margem dos processos desagregadores, analisando movimentos populares e iniciativas cidadãs, discutindo políticas públicas e apoiando sua formulação.

Seu livro, "Violência Urbana", é mais um passo prático-reflexivo, carregado de compaixão e compromisso, porém objetivo e competente, analiticamente denso e lúcido, ainda que sempre claro e didático, para que jamais se perca de seu destino ético-político: contribuir para a formação de uma cultura cívica, que se converta em ação pública democrática.

Mesmo modesto nas dimensões, o livro é ambicioso na delimitação de seu objeto e no movimento de seu foco analítico. Seus temas incluem: a conceptualização da violência, na qual intencionalidade e dano emergem como as variáveis significativas (e aqui reside um dos pontos mais polêmicos do livro); uma classificação tipológica de suas formas; o exame dos dados empíricos sobre a criminalidade, inscrevendo o Brasil no contexto global; breves considerações sobre as fontes sociológicas, históricas e políticas da violência urbana nacional; algumas referências a experiências relevantes e a linhas gerais de políticas promissoras.

Os autores ainda contemplam os leitores com sugestões de livros e sites -nesse ponto, faltam alguns importantes, como o do Cesec (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, www.cesec.ucam.edu.br).

Os autores tornam a violência urbana mais inteligível ao relacioná-la à tradição autoritária da sociedade brasileira e à precariedade de nossas instituições da segurança e da justiça, cujas reformas são urgentes.

O livro demonstra que as principais vítimas são os jovens, particularmente os mais pobres, e que há saídas, sobretudo quando as políticas públicas buscam promover participação social.

A alusão à interessante experiência francesa dos contratos locais -que poderia ser acrescida do projeto italiano "cidades seguras"-e a ênfase na importância político-cultural do hip-hop e de outras modalidades da cultura jovem popular encerram o livro com um sopro de vida e esperança.

Luiz Eduardo Soares, 49, é secretário nacional de Segurança Pública

"VIOLÊNCIA URBANA"
Autor: Paulo Sérgio Pinheiro e Guilherme Assis de Almeida
Editora: Publifolha
Páginas: 96
Quanto: R$ 18,90

Nenhum comentário:

Postar um comentário